1956 Jogos da Lusalite

Na Beira, o nosso principal adversário era a equipa do Búzi, constituída por jogadores de renome, tais como o António Candeias, o Joaquim Miguel, e o Frederico, vindos do Ferroviário de Lourenço Marques e contra quem já tinha jogado. Muito sensatamente, a Lusalite empregou mais dois elementos oriundos do SNECI, o Eduardo António de Azevedo Moreira e o António Luis Nunes Relvas de Assunção. Este já tinha jogado comigo e o outro, vindo das segundas categorias, pertencia à nova geração.

Como em terra de cego, quem tem um olho é rei, acabei por ser reconhecido automaticamente como responsável pelos treinos e jogos, dando os primeiros passos na carreira dúplice de jogador-treinador. A performance da nossa equipa entusiasmou o meio, os jogos eram disputados com regularidade e a população da Beira aderiu. Quando a Selecção de Lourenço Marques veio confrontar-se com as equipas da Beira, criou-se uma medida de comparação que me trouxe preocupações visto ter notado que a minha forma baixara um tanto em relação aos atletas da capital. Tinha posto uns quilos a mais e não admira pois, que as minhas actuações acabassem niveladas para as exigências locais.

Comecei a treinar com mais afinco, praticamente todos os dias, a equipa da Lusalite melhorou substancialmente acabando por vencer o Campeonato local. Nesse ínterim, o entusiasmo pelos jogos enchia os recintos e a Selecção da Beira, num jogo inesquecível causou a primeira e única derrota à equipa do Paço d’Arcos, Campeã Nacional, em digressão por Moçambique. Esta equipa que já actuara na capital da Província, tendo vencido de forma convincente todos os jogos que lá disputou, acabou por ser derrotada pela Selecção da Beira, por expressivos (5×3), para entusiasmo delirante dos Beirenses que tinham lotado o recinto.

Finalmente, com as minhas reservas ultrapassadas no que dizia respeito a jogar contra ex-colegas e apertado pelas saudades da família, regressei a Lourenço Marques, com uma certa mágoa, pois fora sempre bem tratado e acarinhado, não só pelos directores, pessoal e famílias da fábrica, como também pela população da Beira, de que guardo gratas recordações.

[nggallery id=23]

This entry was posted in Álbuns. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *